Conheça os diferentes tipos de esterilização que podem ser executados em processos distintos, mas com a mesma eficiência

Tudo em um ambiente hospitalar requer cuidados específicos para conter a disseminação de vírus e bactérias. As equipes precisam estar protegidas com EPIs e são usados diversos tipos de esterilização para o reuso seguro dos materiais. Dessa forma, é possível oferecer um atendimento de qualidade às necessidades dos pacientes e garantir que eles tratem unicamente a condição que os levou até o hospital.

O ambiente, como um todo, também precisa de atenção. Quando falamos de risco de contaminação, os perigos são microscópicos. Resíduos visíveis de fluidos corporais chamam a atenção para uma limpeza rápida, mas e os resíduos infectantes que ficam nos instrumentos cirúrgicos?

E se este assunto ainda gera dúvidas, continue a leitura para saber quais são tipos de esterilização para que o ambiente hospitalar mais seguro e menos propenso à contaminação cruzada. Vamos lá?

Você também pode gostar de: 

– Descubra em 3 passos como melhorar seus serviços de saúde

Quais os tipos de esterilização?

No que diz respeito ao instrumentos cirúrgicos e outros utensílios, o processo de esterilização não pode se dar apenas pela remoção de sujidades aparentes como sangue e secreção. 

É um processo complexo importante para eliminar completamente os microorganismos presentes nos materiais médicos e laboratoriais usados no atendimento ao pacientes, com o objetivo de garantir a saúde e a segurança dos profissionais e dos pacientes, realizado dentro de uma Central de Materiais e Esterilização – CME.

Feita pela Central de Material e Esterilização – CME – a esterilização dos materiais cirúrgicos e outros instrumentos médico hospitalares é de altíssima importância para a segurança do estabelecimento de saúde. 

São várias as maneiras de realizar esse processo, no entanto cada material requer um tipo de esterilização diferente e essa é uma decisão a ser tomada com base no tipo de material em questão e também no risco de contaminação.

Métodos físicos

VAPOR SATURADO SOB PRESSÃO

Realizado em autoclaves, esse é um dos tipos de esterilização que podem ser subdivididos em duas categorias: vapor úmido e vapor superaquecido. 

Nesse método é preciso tomar algumas precauções. A água, por exemplo, deve ser livre de contaminantes que causem qualquer tipo de interferência ou danos no processo, no aparelho ou nos materiais que serão esterilizados.

CALOR SECO

Estufas de ar quente são utilizadas para esterilizar os materiais. Esse método pode ser feito de quatro maneiras:

  1. Flambagem;
  2. Incineração:
  3. Raios infravermelhos;
  4. Estufas de ar quente.

Atenção: materiais que contenham borracha, tecido e aço não são indicados por serem instáveis se expostos à altas temperaturas. Utilize o processo de calor seco somente para os instrumentos metálicos de ponta ou corte.

RADIAÇÃO IONIZANTE

a radiação ionizante é um tipo de esterilização

Figurando entre os tipos de esterilização está a radiação ionizante, que utiliza baixas temperaturas no processo. Indicada exclusivamente para materiais termossensíveis, que não suportam altas temperaturas.

Métodos químicos

FORMALDEÍDO

Tem ação fungicida, virucida, bacteriana e esporicida – após um período de 18 horas. O formaldeído é um gás sem cor, cáustico para a pele, de odor forte e com potencial cancerígeno. 

Encontrado em fórmulas aquosas e alcoólicas, ele leva até 18 horas para esterilizar os materiais. Ideal para processamento de materiais como cateteres, drenos e tubos de borracha, náilon, teflon, PVC, poliestireno, entre outros.

GLUTARALDEÍDO

Também tem propriedade biocida, bacteriana, virucida, fungicida e esporicida. É tóxica para manipulação e pode induzir asma e dermatite de contato em alguns casos. 

Os materiais termossensíveis são indicados para esterilização com esse método. 

Enxertos de acrílico, drenos e tubos de poliestireno são exemplos de materiais que podem passar por esse processo, assim como a limpeza de endoscópios, conexões respiratórias, equipamentos de terapias respiratórias, dialisadores e tubos de espirometria.

ÁCIDO PERACÉTICO

Tipo de esterilização indicada para materiais termossensíveis que possam ser imersos em solução líquida. Não indicado para alumínio anodizado (ferro e cobre também), por ser incompatível, causando danos. Os materiais esterilizados com esse processo devem ser usados imediatamente.

PLASMA DE PERÓXIDO DE HIDROGÊNIO

Recomendado para materiais feitos de bronze, látex, alumínio, PVC, silicone, aço inoxidável, borracha, teflon, entre outros. Possui uma mistura equilibrada entre água, ácido acético e peróxido de hidrogênio, o que faz com que ele não seja oxidante.

Gostou do conteúdo? Você leu sobre os tipos de esterilização e o método mais seguro vai depender do material a ser desinfectado. Que tal agora ler mais sobre: Esterilização de materiais: por que apostar na terceirização?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Você pode usar estas HTML tags e atributos:

<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>