Todo hospital que se preze deve dar atenção à parte de gerenciamento de custos da instituição, pois essa parte é fundamental para manter o estabelecimento funcionando.

De fato, saber gerenciar um hospital não é tarefa fácil pois sempre haverá um gasto, um investimento e reposição de materiais a ser feito. Reparos acontecem quase sempre e ainda tem o fato que inclui a manutenção de equipamentos.

Tudo isso faz com que seja preciso ter um bom controle dos gastos para que se possa investir no que é necessário. Uma das grandes despesas que um hospital tem é quanto a área de CME.

Veja então como o gerenciamento de custo pode ajudar nesta etapa. 

Como conseguir melhorar o gerenciamento de custos de um hospital?

Cada vez mais o CME tem sido visto como uma parte estratégica de um hospital. Saiba os benefícios do CME

O centro cirúrgico de um hospital é um dos setores que mais gera receita. Seu papel é impactado de modo direto por conta das centrais de materiais e esterilização.

Cada vez mais o CME tem sido visto como uma parte estratégica de um hospital, visto que seu funcionamento age de modo direto na segurança e na capacidade de receita que o hospital faz.

De maneira direta, isso quer dizer que uma CME que funcione perfeitamente, consegue aumentar o fluxo de rotatividade de processos de um hospital.

Com os centros cirúrgicos tendo uma capacidade maior de receber pacientes, o hospital acaba tendo uma melhora na hora de gerar receita.

Além de aumentar a receita da instituição, o serviço de CME também pode reduzir os custos que uma instituição possui, pois ao passo em que se diminui gastos de insumos, a produtividade por funcionário acaba aumentando.

Assim, os riscos sanitários acabam sendo mitigados. No mundo todo, a terceirização dentro de um hospital já não é algo novo.

Isso porque diversos estabelecimentos de saúde fazem a terceirização de áreas que não são a parte central do funcionamento de um hospital, como por exemplo:

  • Refeitórios;
  • Lavanderia;
  • Recepção;
  • Segurança.

No entanto, algo que tem mudado um pouco é que agora, a tendência foca na terceirização voltada para os cuidados vitais dentro do hospital, que é a CME.

Quais desafios que um hospital encontra ao longo do caminho?

O desafio, entretanto, é fazer com que se tenha uma CME de alta eficiência sem abrir mão da qualidade do serviço e também das normas sanitárias.

Tudo o que se refere a CME possui regulamentação rígida, como por exemplo, a Resolução RDC-15 que pede um monte de exigências que se configuram como um certo desafio para algumas unidades.

Isso porque, em grande parte das vezes, o hospital não conta com uma estrutura adequada para que se possa atender à essa regulamentação.

Para que se possa então ter uma boa eficiência, é preciso que o cumprimento das normas sanitárias e regulamentos sejam entendidos para que se possa ter uma boa qualidade no fim das contas.

Quais são as vantagens que a CME traz para um hospital?

A CME é vista como uma atividade-meio. Portanto, se inclui no âmbito da terceirização como algo aceitável. Há diversos motivos para que se adote a terceirização nessa área, veja:

1. Estrutura hospitalar

Um dos principais motivos de terceirizar é pelo fato de que hospitais com estrutura antiga possuem dificuldades de se adequar às exigências atuais da ANVISA de infraestrutura. 

Além de que uma reforma pode significar um alto custo para a unidade. Sendo assim, a terceirização surge como uma saída possível para que não seja preciso ter uma reforma e ainda assim contar com a qualidade do serviço prestado.

2. Qualidade nos processos

Uma empresa terceirizada foca especialmente em uma área de atuação. Sendo assim, todas as etapas do processo de CRM acabam por ter eficácia máxima por conta de sua expertise.

Não só a questão da limpeza e controle da esterilização, mas também os aspectos operacionais acabam por melhorar 100%. Tudo se torna mais otimizado, rápido e também seguro.

3. Reduz custos

Por conta de haver um melhor controle no estoque e também na logística de processamento, o CME acaba por fazer com que o hospital não tenha um gasto excessivo, portanto, o custo-benefício é grande.

Assim, com um controle maior é possível investir em outras áreas que merecem atenção, já que essa parte de cuidados materiais fica por conta inteiramente da empresa contratada.

Quais os custos que uma instituição tem ao não terceirizar o processamento?

Tanto hospitais particulares, hospitais públicos e rede privada precisam fazer com que seus materiais estejam em condições de uso. Nem todas as unidades acham que a terceirização é o melhor meio para isso.

Sendo assim, optam por fazer uma CME própria. No entanto, essa atitude pode gerar custos que impactam de modo direto o negócio.

A nova CME trouxe perfeccionismo e automatização dos processos, segurança e metodologias no processamento de produtos para a saúde.

O valor agregado a esses produtos fizeram com que essa área pudesse ter uma maior segurança e confiança. No entanto, ao mesmo tempo que fizeram isso, aumentaram o valor global investido nesse setor.

No dia a dia, os gestores têm que lidar com diversas barreiras administrativas e também econômicas. Alguns dos custos que um ambiente deve ter que investir para que a CRM possa ter alta performance, são:

  • Teste de limpeza;
  • Teste de esterilização;
  • Teste de selagem;
  • Investimento em lavadoras ultrassônicas;
  • Seladoras;
  • Autoclave;
  • Manutenção de equipamento;
  • Equipe bem ajustada.

Sendo assim, é um grande desafio ter que lidar e controlar todos esses fatores fazendo com que se mantenha alta performance.

Conclusão

Depois de ver todos esses fatores acima, fica claro que a terceirização é o melhor caminho para implementar a CME de modo eficaz e ainda com benefícios.

Diante do alto custo do cenário atual, a terceirização aparece como uma saída para baixar esses valores. Sendo assim, se alivia uma preocupação extra, garantindo apenas se preocupar com a empresa que está prestando serviço.

Conte aqui se o gerenciamento de custos para você tem sido algo difícil de lidar e se este conteúdo te ajudou em algo. Além disso, compartilhe-o com outras pessoas que tenham interesse.

Aprenda como funciona a CME terceirizada de um hospital e quais são seus benefícios

Pesquisas apontam que o hospital é o lugar onde há maior associação de fatores de risco à saúde. Por isso, pode-se dizer que o processo de limpeza, esterilização e infecção não envolve apenas a remoção da sujeira, mas também a eliminação de todos os micro-organismos presentes no material a ser processado.

Desta forma, as CMEs executam um papel super importante na prevenção das chamadas “infecções cruzadas”. Mas nem todos os hospitais têm estrutura ou expertise para operarem uma CME própria, por isso acabam optando por uma CME terceirizada

Por isso, vamos esclarecer mais a respeito da terceirização deste serviço para hospitais e outros serviços de saúde. Acompanhe!

Primeiramente, você sabe o que é uma CME?

A Central de Materiais e Esterilização (CME) é uma unidade funcional responsável por fazer o Processamento de Produtos para Saúde (PPS). Ou seja, uma CME é uma das partes mais importantes de um hospital, pois é onde se armazena, esteriliza e distribui os materiais utilizados pelos profissionais da saúde.

A RDC15/2012 – resolução que dispõe sobre os requisitos de boas práticas para o processamento de produtos para saúde – classifica as CMEs em duas classes:

  • CME Classe I: onde se realiza o processamento de produtos para a saúde não-críticos, semicríticos e críticos de conformação não complexa, passíveis de processamento. 
  • CME Classe II: onde se realiza o processamento de produtos para a saúde não-críticos, semicríticos e críticos de conformação complexa e não complexa, passíveis de processamento.

Quanto a classe l, de conformação não complexa, são os produtos em que as superfícies internas e externas podem ser atingidas por escovação durante o processo de limpeza e tenham diâmetros superiores a 5mm nas estruturas tubulares. Já os produtos da classe ll são considerados complexos porque durante o processo de limpeza, suas superfícies não conseguem ser atingidas por escovação e/ou não possuem diâmetros superiores a 5mm nas estruturas tubulares.

Equipamentos, estrutura e equipe para o bom funcionamento de uma CME

O autoclave é um dos principais equipamentos de uma CME, pois se encontra em todo o processo e é utilizado para esterilizar materiais e artigos médico-hospitalares. Este e os outros aparelhos de uma CME, como a lavadora ultrassônica, passam anualmente por um processo de validação para garantir sua eficácia e, consequentemente, a segurança dos pacientes.

Uma CME deve contar com:

  1. Sala de recepção e limpeza, chamada de “setor sujo”;
  2. Sala de preparo e esterilização – ou “setor limpo”;
  3. Sala de desinfecção química, quando aplicável (setor limpo);
  4. Área de monitoramento do processo de esterilização (setor limpo);
  5. Sala de armazenamento e distribuição de materiais esterilizados (setor limpo).

Além disso, alguns profissionais devem estar envolvidos no processo de esterilização e controle de uma CME. São eles:

  • Enfermeiro Coordenador do CME (este deve permanecer apenas no CME em sua jornada de trabalho);
  • Enfermeiro Plantonista do CME;
  • Técnicos de Enfermagem capacitados para desempenharem as tarefas do CME.

Esta equipe deve ser exclusiva do CME, pois sua exposição com outros setores do hospital pode oferecer risco ao processo de esterilização e à segurança dos pacientes.

CME terceirizada: principais benefícios para hospitais

A contratação de CME terceirizada tem se tornado uma tendência ao longo dos últimos anos. Talvez isso seja por conta das diversas vantagens que ela pode trazer para os serviços de saúde – quando se contrata a empresa correta, é claro.

CME terceirizada traz benefícios ao hospital

Entre os principais benefícios de ter uma CME terceirizada para o seu hospital, podemos listar:

1. Redução de custos

É fato que dentre os principais benefícios em se contratar uma CME terceirizada está a redução de custos. Isso é possível porque ao terceirizar este serviço, o hospital consegue ter uma CME de alta performance, com qualidade e com um custo menor do que seria se utiliza-se uma CME própria.

Além disso, como vimos anteriormente, a RDC-15 dispõe de várias exigências que se transformam em grandes desafios operacionais para os hospitais, que não possuem expertise, tecnologia e processos bem estabelecidos para atender à regulamentação – o que pode aumentar o custo.

2. Foco no paciente

Outro benefício que podemos considerar na contratação de uma CME terceirizada é basicamente o princípio da terceirização: foco na atividade-fim e não nas atividades secundárias.  Ou seja, se a atividade principal de um hospital é cuidar de vidas, tratar pacientes, logo seu foco deve ser nesse objetivo.

Desta forma, a CME terceirizada foca em coletar, armazenar, esterilizar e distribuir estes materiais para o uso médico-hospitalar. Isso também significa menor gasto de energia para os profissionais do hospital que, neste caso, precisam se dedicar apenas ao cuidado final do paciente e não do processo.

3. Segurança

Aqui podemos citar tanto a segurança do hospital em relação à prestação do serviço – isto é, de cumprir todas exigências estabelecidas pela RDC-15 – quanto em relação à segurança dos pacientes, já que a qualidade no cuidado com os materiais médico-hospitalares também faz parte do cuidado com os pacientes.

Mas como falamos anteriormente, estes benefícios estão condicionados à escolha correta de uma CME terceirizada. Por isso, recomendamos que leia também:

Contratei uma CME terceirizada, e agora?

É necessário que você saiba que mesmo que seu hospital faça a contratação de uma CME terceirizada, a RDC-15 não o exime da responsabilidade do processamento com qualidade de todos dos artigos médico-hospitalares. Isso quer dizer que é preciso ter um acompanhamento próximo à empresa terceirizada, sobre o processo de esterilização.

Além disso, o hospital ainda precisa dispor de uma estrutura mínima para o processamento destes artigos e assim cumprir alguns quesitos:

  1. Evitar que o artigo sujo permaneça com a matéria orgânica ressecada antes da lavagem; 
  2. Dispor de recursos para atender a possíveis situações emergenciais de quebra ou queda de artigos insubstituíveis durante o ato cirúrgico; 
  3. Dispor de estrutura para o encaminhamento, o recebimento e a conferência dos artigos enviados.

Ou seja, o Processamento de Produtos para Saúde (PPS), neste caso, deve ser uma responsabilidade tanto do hospital quanto da CME terceirizada. Por isso, não deixe de escolher uma empresa confiável, que vai dar suporte e realizar todo o processo conforme contrato pré-estabelecido entre as partes.

Para isso, recomendamos que leia também:

 

Terceirizar seus serviços de esterilização é a melhor saída para reduzir custos sem afetar a qualidade do serviço prestados aos pacientes.

A limpeza e esterilização de materiais hospitalares é um dos processos mais importantes dentro de um estabelecimento de saúde. É esse processo que vai garantir a segurança da equipe médica e dos pacientes para a realização de procedimentos com risco diminuído – ou zero – de infecção hospitalar.

Não importa o tamanho do arsenal de instrumentos médicos, a Central de Materiais e Esterilização – CME, é um departamento dispendioso dentro da organização. Isso porque são necessários diferentes equipamentos, fazer a atualização e a manutenção deles, além de tomar todas as precauções com a estrutura física, e os materiais para o processo de esterilização. 

Centralizada ou descentralizada, a CME interna tem uma cota de desafios que o profissional de enfermagem precisa dar conta. Além de capacitar os profissionais que vão ficar exclusivamente na central, é preciso estar atento às normas previstas pela RDC 15. Na maior parte das vezes, terceirizar a CME pode representar um grande economia no orçamento da sua organização.

Se você acha que essa é a solução para o seu negócio, leia o artigo que elaboramos e veja por que investir na terceirização deste setor. 

A importância de uma CME eficiente

Essa unidade é essencial em ambientes hospitalares, uma vez que sem os materiais e instrumentos médicos limpos, desinfetados e esterilizados não é possível oferecer um atendimento apropriado e de qualidade aos pacientes. 

Todos os processos dentro de uma CME devem ser mapeados. Esse registro é parte do controle das etapas de limpeza e desinfecção dos instrumentos médicos. E essas etapas são registradas e monitoradas a fim de manter um bom ritmo de funcionamento na central – o que vai influenciar diretamente o abastecimento e o atendimento das demandas dos setores hospitalares.

É de extrema importância que nenhuma etapa seja pulada ou eliminada do processo. Isso porque as infecções hospitalares decorrem de práticas inadequadas que não podem ser admitidas sob nenhuma hipótese (pressa, custos, etc). Toda a razão de ser de uma CME é justamente prevenir e controlar o risco de infecções, que traz grandes benefícios ao estabelecimento de saúde, como:

  • controle biológico;
  • controle das etapas realizadas;
  • bom manejo de pinças;
  • redução de erros humanos;
  • maior eficiência nos processos.

Por que terceirizar pode ser a melhor decisão?

A central de esterilização é uma unidade de apoio técnico importantíssima em ambientes hospitalares, uma vez que sem os materiais e instrumentos médicos limpos, desinfetados e esterilizados não é possível oferecer um atendimento apropriado e de qualidade aos pacientes. 

Um dos motivos para terceirizar a CME é se deparar com falhas e defeitos nos equipamentos. Isso causa impacto em todas as fases do processo de esterilização, prejudicando a qualidade e segurança dos instrumentos e causando lentidão na distribuição aos setores, gerando uma sobrecarga è equipe de enfermagem.

Alguns fatores precisam ser levados em consideração para escolher a melhor empresa de esterilização. A oferta no mercado é grande e para ajudar a filtrar e decidir por uma empresa séria, de confiança e que cumpra as resoluções da Agência de Vigilância em Saúde – Anvisa , confira as dicas abaixo:

Você pode se interessar por:

Descubra em 4 passos como melhorar seus serviços de saúde

Escolha uma empresa regulamentada

Nenhuma empresa que não atenda às normas impostas pela Anvisa terá condições de ser contratada. Para oferecer o serviço de esterilização de materiais, ela inevitavelmente precisará seguir os critérios impostos pela RDC 50.a estrutura da empresa terceirizadfa precisa estar à altura do hospital contratante

 Ambiente bem estruturado

O local precisa ter uma estrutura minimamente aceitável, com dimensões e instalações adequadas ao seu bom funcionamento. Os pisos e as paredes devem ser laváveis e com o mínimo de juntas em um ambiente em excelentes estado de conservação.

As bancadas devem ser de fácil higienização e serem ergonomicamente ajustadas para os funcionários. Todas as superfícies necessitam ser impermeáveis , laváveis, lisas, de fácil manutenção e preferencialmente de cores claras.

As janelas precisam ser protegidas com telas para evitar que insetos e roedores entrem. 

Insumos que atendam os seus materiais

A esterilização de materiais médico-hospitalares passam por vários processos para serem descontaminados, inclusive químicos. É importante saber qual o melhor tipo de esterilização para os seus produtos, para não errar na escolha da empresa que vai prestar esse serviço.

Equipe capacitada

O quadro funcional da empresa de esterilização de materiais deve ser composto por enfermeiros, biólogos e farmacêuticos devidamente habilitados para desempenharem suas funções. Estes são os profissionais que podem assegurar e atestar a esterilidade dos instrumentos. 

Tempo de entrega

Um fator determinante para uma boa parceria, além do risco de zero de contaminação claro, é o prazo para a entrega dos materiais. 

Os instrumentos médico-hospitalares são de uso diário e constante em um estabelecimento de saúde, então a empresa contratada para fazer a desinfecção dos materiais precisa cumprir as datas mínimas exigidas para a realização dos processos. Ser ágil é definitivamente um diferencial. 

A Esteriliza é excelência em esterilização e conta com esse benefício. E mais: tem uma frota própria e exclusiva para fazer o transporte dos seus materiais, priorizando a segurança e a qualidade do serviço prestado. 

Além disso, a empresa precisa ter um rigoroso processo de esterilização para garantir a máxima higiene dos materiais hospitalares.

Gostou do conteúdo?

Uma central de materiais e esterilização é uma unidade de apoio técnico muito importante para o bom funcionamento de um estabelecimento de saúde que reflete na qualidade do atendimento aos pacientes. 

Por isso é vital que ela receba a devida atenção para que se reduza ou que zere os riscos de infecção hospitalar por meio de instrumentos contaminados. 

Agora que você sabe como funciona uma CME e os motivos para terceirizar a operação, que tal falar com a Esteriliza? Para mandar uma mensagem é só clicar aqui.