Entenda melhor o centro de material e esterilização, CME

Todo hospital precisa de um Centro de Material e Esterilização para garantir a segurança dos seus pacientes e funcionários contra infecção hospitalar.  Essa é uma unidade do hospital que tem um custo alto e a gerência do hospital tem dificuldade em acompanhar o avanço dos gastos.

Mas os métodos modernos podem reduzir custos de todo o processo.

Então, continue lendo para entender como funciona um CME e como o seu processo pode ser otimizado para reduzir os custos e ainda garantir a sua eficiência.

Qual a importância do centro de material e esterilização?

O Centro de Material e Esterilização, ou como é chamado: CME, é o setor destinado ao processamento de produtos para a saúde dos serviços clínicos ou hospitalares. É uma unidade fundamental para a gestão do hospital. 

Nos hospitais, as infecções são perigosas e podem se traduzir em doenças e morte. Por isso, a higienização de todo o material utilizado no centro médico é muito importante. 

Para isso, os hospitais possuem esse setor específico para a limpeza, que pode ser dentro do hospital ou em um centro externo. Nesse processo há a limpeza e também a remoção de qualquer micro-organismo presente no material que está sendo esterilizado.

Por isso, é considerado por muitos a área mais importante do hospital e merece uma atenção especial do gestor, sendo o coração do hospital. Afinal, todas as áreas dependem do CME

A partir dele que as demais áreas do hospital conseguem funcionar como deveriam. Segundo pesquisas, no Brasil, a taxa de contágio por infecção hospitalar chega a ser de 15%. 

Isso é mais do que outras infecções juntas, como gripe e tuberculose, o que acontece porque o hospital reúne muitos fatores de risco que tornam o ambiente propício a essa ocorrência.

Especialmente em pessoas vulneráveis e patogenias. O que faz com que as ações de prevenção sejam prioridade na ação. 

Em geral, a enfermagem é a área que atua na administração do CME, junto com a administração do hospital. De acordo com a Anvisa, além da equipe, o responsável pela CME deve ser, de preferência, um enfermeiro.

São qualificados, auxiliando na conexão deste centro ao hospital, auxiliando no planejamento, execução e analisando os métodos utilizados. Além dessa gestão buscar a maior segurança possível, ela também deve ser pensada considerando os diferentes processos e seus custos. 

 

Diferentes tipos de processos no Centro de Material e Esterilização

 O Centro de Material e Esterilização (CME) é um setor essencial em hospitais. Entenda como ele funciona, sua importância e como reduzir custos.

 

Como foi falado anteriormente, o Centro de Material e Esterilização é uma unidade que tem como responsabilidade processar e limpar produtos que são utilizados em todos os setores do hospital. Portanto, para isso, alguns processos devem ser feitos, são eles: 

  • Inspeção; 
  • Limpeza; 
  • Preparo do item; 
  • Embalagem; 
  • Esterilização; 
  • Armazenamento.

A Anvisa estabelece ainda parâmetros para a infraestrutura do CME. Pois, esse precisa ter algumas salas específicas para cada ação, como sala para:

  • Recepção e limpeza;
  • Preparo e esterilização;
  • Desinfecção química;
  • Armazenamento e distribuição. 

Além disso, precisa ter também uma sala exclusiva para monitorar todo esse processo. Assim como salas de apoio para os funcionários, como vestiários, depósitos e copa.

Classificação do CME

O Centro de Material e Esterilização pode ser classificado de três maneiras diferentes, de acordo com a sua forma de funcionamento. Podendo ser descentralizado, semi-centralizado ou centralizado. 

O CME descentralizado é quando cada unidade hospitalar tem um CME próprio, que tem a responsabilidade de limpar e esterilizar todos os materiais daquela unidade. 

Já no CME semi-centralizado, cada unidade realiza o preparo dos itens utilizados e os envia para ser esterilizado em um único local que tem essa função e recebe todo o material preparado de todas as unidades do hospital. 

Por último, o CME centralizado faz com que todo o material do hospital realize todos os processos de limpeza e esterilização em um só local, que atende todas as unidades. E essa é a forma mais utilizada hoje em dia.

Pois, essa forma permite que o procedimento seja padronizado para todo o hospital, melhorando a sua qualidade, eficiência e segurança. Além disso, há uma redução de custos ao se ter apenas um CME para todo o hospital.

Processos do CME

A organização de um Centro de Material e Esterilização deve ser pensada para manter uma direção contínua, saindo sempre para um local mais limpo que o anterior. 

Para isso, ele é dividido de acordo com seus processamentos, que são divididos em setores. O primeiro setor é o expurgo, local no qual o material chega, para ser feita a inspeção e a conferência do material sujo. 

Então, há uma lavagem e secagem simples dos materiais, que tem como objetivo tirar as possíveis sujeiras dos materiais. Para isso, equipamentos como lavadora são suficientes. 

Depois do expurgo, o material deve ir para o preparo e esterilização. Pois, antes dele ser esterilizado, é preciso retirar toda a umidade do material.

Bem como, acondicionar os itens de acordo com seu tipo e forma, e só depois a esterilização é feita. A forma mais comum de esterilização nos CMEs é pelo calor, com equipamentos de autoclave.

Junto com esse processo há o seu monitoramento, para garantir que o material está realmente sendo esterilizado. É uma medida de segurança e que auxilia também na redução de custos.

De modo a evitar um trabalho dobrado, caso passe algum material que não tenha sido esterilizado corretamente. Para conferir e garantir isso, utilizam-se indicadores de qualidade. 

Por último, o material já esterilizado e conferido vai para o armazenamento, que deve ser um local limpo, com umidade e temperatura controladas. É preciso ficar atento com a data de validade para a esterilização do material.

Assim como estar sempre monitorando as condições do local de armazenamento e distribuição para não contaminar o material já esterilizado. 

Por isso, o planejamento é fundamental para garantir não só a segurança e para que a redução de custos no processo não saia mais cara depois. Afinal, um bom planejamento garante manutenção periódica e evita limpeza ineficiente e equipamento quebrado. 

 

Conclusão

Quando você precisa gerenciar um Centro de Material e Esterilização (CME), além do planejamento, é preciso entender o que lhe dará um menor custo. Usar o modelo centralizado é uma solução moderna, que tem sido muito utilizada, para evitar custos maiores e garantir a qualidade. 

Este artigo lhe ajudou? Deixe sua opinião nos comentários e compartilhe-o em suas redes sociais.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Você pode usar estas HTML tags e atributos:

<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>